[Resenha] A Garota dos Pés de Vidro

Garota dos Pés de Vidro, A

Nome: A Garota dos Pés de Vidro
Autor: Ali Shaw
Ano: 2010
Páginas: 288
Preço: R$14,90 (Submarino)

Sinopse:

Cenários cinematográficos, paisagens paradisíacas, pântanos congelados com animais transformados em vidro, florestas brancas, penhascos monocromáticos, um oceano de baleias, lendas e águas-vivas. 

Este é o universo fantástico de Ali Shaw, autor britânico que renova as fábulas e cria uma inusitada história de amor. Midas é um tímido fotógrafo ilhéu. 

Ida é uma jovem aventureira que vem ao arquipélago de Saint Hauda´s Land buscar a cura para sua misteriosa doença. 

Ela está se transformando em vidro e juntos buscam uma solução. O que eles mais precisam é de tempo - e o tempo está passando rápido. Será que vão encontrar uma maneira de evitar a propagação do vidro? 


Resenha:


Ganhei esse livro da Submarino por ter feito uma compra grande e por ser cliente deles há anos. Esse foi o primeiro que eu li dessa remeça pois a capa e o título instigaram a minha curiosidade. A princípio estranhei um pouco, mas com o passar das páginas me acostumei às perfeitas descrições de Ali Shaw.
O livro começa com Midas Crook, um jovem fotógrafo que esconde vários segredos, caminhando pelo busque da pequena ilha de St. Haudas Land em busca do lance de luz perfeito, para poder tirar a foto perfeita. Porém, alguém atrapalha sua busca: a linda e monocromática Ida Maclaird.
A primeira coisa que Midas notara na mulher, fora suas botas, enormemente grandes para alguém tão frágil como ela. Ida percebendo a distração do rapaz, explica que as botas eram de seu pai, que por sua vez era policial.
Em uma rápida conversa, os dois trocam nomes e principais informações. Midas vai embora apenas com uma idéia na cabeça: precisaria tirar um foto de Ida, o quanto antes.
Nos dias seguintes, apenas Ida e suas botas ficam na mente de Midas. E isso realmente o perturba. Os dois se encontram mais algumas vezes, e ela diz para ele que está de passagem na ilha, morando de favor na casa de seu tio Carl – um professor acadêmico estranho que era apaixonado por Freya, mãe de Ida - , até conseguir encontrar Henry Fuwa, um homem com muitos segredos e que pode ajudá-la na cura de sua doença. Midas, porém sabia do paradeiro dele, mas resolveu não comentar nada com a moça, talvez pela angústia e medo que tinha do passado.
Muitos fatos se sucedem, até que Crook decide se encontrar com Henry Fuwa, para saber se ele realmente sabia o que fazer com os pés de Ida, que estavam se transformando em vidro. Os dois conversam, mas Henry sempre ficava com a pulga atrás da orelha, uma vez que a mãe de Midas, fora a única mulher que ele amara na vida. Fuwa mostra a Midas o gado de asas de borboletas, estranhas criaturas com uma graça própria. Eles têm uma rápida conversa sobre águas-vivas, e então Midas decide ir ao ponto: o vidro que está crescendo no corpo de Ida.
Henry então o leva até o pântano – sua casa – e o mostra um lago, e precisamente dentro do lado corpos de vidro, já com a transformação completa. Midas não consegue imaginar a amada naquele corpo translucido, e implora ao outro para fazer alguma coisa, porém Henry diz que não há nada a fazer, é uma situação que não pode ser controlada muito menos revertida.
Carl volta de sua repentina viajem e descobre sobre os pés de Ida. Ele a leva então, a mulher mais rica da ilha: Emiliana Stallows, com quem no passado teve um caso, levando a separação dela e do marido. Essa mulher, segundo Carl, já havia visto algo parecido e podia sim ajudar a controlar o avanço total do vidro. A idéia seria fazer emplastros de água-viva, onde então, o vidro ficaria paralisado. O tratamento começa e Ida sente muita dor por conta das aplicações.
Uma semana se passa e Midas descobre que na verdade, o tratamento não funcionaria, só daria mais tempo para Ida, até que a transformação se completasse. Ele a tira da casa de Emiliana e a leva para a sua, onde toma todo o cuidado para que ela tenha os melhores dias de sua vida.
Os dois têm uma breve história de amor, na qual eles vão passear de barco – lembrando que Midas tinha pavor de água, pelo fato de seu pai ter se suicidado na água – e num abraço, Ida acaba se transformando completamente em vidro, deixando apenas alguns machucados em Midas, por conta do toque dos dois.
Achei o livro meio viajado, o autor começa uma parte e depois não continua e deixa o leitor totalmente intrigado. O autor também trás a tona o passado de Midas Crook, que seu pai estava se transformando em vidro, e outras histórias que faziam Midas odiar o pai que tinha o mesmo nome que ele. Tirando isso, gostei do livro, sim. Mas quem quiser lê-lo, deve estar com a mente bem aberta e a imaginação a toda. 

Minha classificação: ★★★★



2 comentários:

  1. Eu comprei esse livro, e já peguei nele umas 4 vezes e não consigo terminar de forma alguma. Alguma dica?

    ResponderExcluir
  2. Oi Rebeca, tudo bom?
    Acho que o que me levou a terminar esse livro foi minha curiosidade à respeito do fechamento da história!
    Se vc ainda não começou, comece sério, tu vai amar o enredo da história!
    Fiquei impressionada com o autor criou para salvar a garota de virar vidro, simplesmente genial!
    Confesso que não gostei muito do fim, mas gostei do rumo que as coisas levaram depois desse fim trágico. Indicadíssimo, com certeza!
    Me diga onde vc parou, que eu te dou mais motivos ainda para terminar de ler esse livro!

    Bjkas

    ResponderExcluir